Sobre mim

Pergunta épica e que me acompanha por anos!

Tema recorrente de muitas sessões com minha psicanalista e pergunta retórica "Quem sou eu?". O ponto alto dessa reflexão ocorreu entre dois grandes momentos, a descoberta de uma enfermidade e as aventuras de uma viagem ao Peru.

Em resumo eu tento ser aquela que busca em si e em sua história movimentos e novos olhares para fazer sentido aquilo que se vive; ser aquela que busca na intensidade e na leveza sumos para encantar-se; ser aquela que busca uma vida profissional que se apaixona cotidianamente e que são expressões de si (marcas, sentidos, significados); ser aquela que tem o coração que caminha; ser aquela que busca abertura ao outro (diferente de mim), simplicidade, humanidade e uma boa dose de felicidade nas relações; ser aquela que reconhece que a melhor companhia é você mesma; ser aquela que sonha dormindo e acordada, mas tenta ao máximo concretizar e não apenas idealizar; ser aquela que perde o celular com todas as fotos e reconhece que o importante foi o vivido (sobretudo dentro de si!), o sorriso que não se desfaz, a paz de espírito, a leveza de se saber dona de si; ser aquela que é grata pela família, pelos amigos e por todos os ensinamentos, bons e ruins; ser aquela que exageradamente segue vivendo (no gerúndio mesmo!) gratamente por tudo que o cosmo proporciona (Momentos de vida me marcaram e me fizeram perceber potência, capacidade de superação e força, entre tarefas e  aprendizados surpreendentes!), assim como andar pelo mundo, pelas “faces”, pelos “idiomas”, pelas “culturas” me faz sentir "Sou forte e sou feliz"; Bem, ser aquela que hoje sem resseios assume que sonha, para além da carreira, com um grande amor, três filhos, uma casa e descobrir um outro mundo com eles.

E por que usei “ser aquela”? Porque para mim a vida é sempre um devir, uma sempre construção do que somos e do que queremos ser. Para ser fiel aos gostos atuais pela filosofia, o devir significa que mudanças são constantes, então a vida é sempre um devir.

Obs. Importante! Muitos defeitos, muito por aprender! Desaprendendo a focalizar primeiro os defeitos e deixando os olhos do coração recaírem sobre as potencialidades (ao menos as que penso ter, rs!).

Assim, o blog “confidencialidades Poéticas: blog de quem faz de suas experiências fonte de inspiração” nasce de minhas inquietações e (auto)descobrimentos, em meio as múltiplas mudanças, vivências e experiências que a vida foi me impulsionando.

Mais que um diário de bordo, intui um espaço para confidencializar (sem muita métrica poética) sentimentos, sensações e olhares, com vistas ao acolhimento, a amorosidade e a alteridade, uma viagem. O blog, para além da mentora, é um lugar para alguns familiares e amigos colunistas e para leitores ávidos por experiências e confidencialidades.  

Surge do reconhecimento de que a vida é um devir (por vir) e que dela devemos desejar nada menos que ser feliz! Mesmo que essa felicidade seja de momentos e que as feiuras dos dias, (nada mais normal) nos possibilitem muitas aprendizagens, crescimento, evolução.

  • b-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now