Please reload

PROCURE POR TAGS: 

02.01.2019

Please reload

POSTS RECENTES: 

SIGA

  • Facebook Clean Grey
  • Twitter Clean Grey
  • Instagram Clean Grey

Azar!

 

A vida é uma caixa de surpresas, para não chamar de caixa de pandora (da mitologia grega, pandora foi a primeira mulher criada por Zeus e que ganha, na verdade, um jarro, que continha todos os males do mundo). As muitas coisas que nos acontece, de todos os lados, de todos os ventos. Como equilibristas precisamos, discernir e priorizar. Minha confidencialidade poética do dia lembra a belíssima música “O bêbado e o equilibrista”, que na voz de Elis Regina (Compositor: João Bosco & Aldir Blanc), faz sentir-me dialogar com as peraltices que muitas vezes precisamos fazer para ultrapassar os dias.

 

Caía a tarde feito um viaduto

E um bêbado trajando luto

Me lembrou Carlitos...

A lua

Tal qual a dona do bordel

Pedia a cada estrela fria

Um brilho de aluguel

 

Embriagada de olhares e demandas, não podia deixar negar em mim o peso e o sombrio que me açoitava o final de tarde e à noite de ontem. A estrela que preciso fazer brilhar (preciso mesmo? Hoje sim preciso...) cobre-me para tomar decisões e as palavras certas, para não vacilar.

 

E nuvens!

Lá no mata-borrão do céu

Chupavam manchas torturadas

Que sufoco!

Louco!

O bêbado com chapéu-coco

Fazia irreverências mil

Pra noite do Brasil.

Meu Brasil!...

 

Sufoco, louco sufoco! Irreverente... sentir falta de casa, senti um desejo louco de estar no meu país, com a minha família, na minha casa. Tortura e tontura em sentir-me de mãos atadas, sem estrutura, sem nada, exagero! O corpo parecia desfalecer, mas as noites de tempestade sempre são feitas de nuvens que se dissipam. E dois anjos caem do céu.

 

Que sonha com a volta

Do irmão do Henfil.

Com tanta gente que partiu

Num rabo de foguete

Chora!

A nossa Pátria

Mãe gentil

Choram Marias

E Clarices

No solo do Brasil...

 

Sonhei por instantes estar no Brasil! Sensação de pertença... Ah! se fosse possível desaparecer, se fosse possível simplesmente sentir o toque amado do meu país... meu coração vibrou. Partir não é uma opção, não por hora, mas o choro foi inevitável!

 

Mas sei, que uma dor

Assim pungente

Não há de ser inutilmente

A esperança...

 

Dança na corda bamba

De sombrinha

E em cada passo

Dessa linha

Pode se machucar...

 

É fato! Aprendizagem, algo que faz chorar, mas que faz crescer e em cada passo a certeza de se fazer crescer. Dor que cala a alma, que se faz solidão, que aperta o coração, sem pena e sem acalento. Algo de menina, alma de mulher dançando embriagada de saudades em meio a sensível dor que desequilibrava a emoção.

 

Azar!

A esperança equilibrista

Sabe que o show

De todo artista

Tem que continuar...

 

A artista, de si e do mundo, não cansa de escrever, sentir, dançar, chorar, sorrir... Sabe que fez a escolha certa e que sairá mais forte e mais brilhante e vibrante, que a lição da vida é ser um pouco bêbada e um pouco equilibrista, um pouco artista pelos caminhos e pela multidão. Desistir não é uma opção!

Azar!

 

 Fonte da imagem:  Autora

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • b-facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now